top of page

Projetos

Projetos atuais 

Foto Oré (1).png

 Oré

Quarteto criado em 2022 explorando a Música Brasileira e Música Improvisada.  

O grupo traz influências de Maracatu, Baião e outros ritmos nordestinos em uma visão contemporânea, usando melodias uníssonas e ritmos tradicionais como base para criar plataformas de improvisação. 

Miguel Petrucelli - guitarra

José Soares - saxofone

Pedro Ivo Ferreira - contrabaixo

Onno Govaert - bateria

Nefertiti

Minério

O grupo Nefertiti leva o nome da composição de Wayne Shorter, o poeta musical cujos sonhos encontram sua expressão em linhas melódicas de formas tão improváveis. O grupo, que começou em 2013 no Conservatório CRR em Paris, pode parecer um quarteto de jazz clássico, mas as aparências enganam. Não poderíamos estar mais afastados aqui daquelas intermináveis repetições de 'tema – solos improvisados – tema de novo'. Em Nefertiti,  a dramaturgia é diferente. A forma aparece apenas quando necessário, após brincadeiras preliminares e jogo de sombras. Então, e só então, a composição avança. De uma forma paradoxal e muito apelativa, é libertador. E isso porque, uma vez que os sons livres criaram sua própria tensão, a chegada da melodia e do pulso traz certeza; e, no entanto, a linha tem a liberdade de ziguezaguear, girar e ser salpicada com polirritmia. 

 

Depois de dois álbuns, «Danses Futuristes» de 2015 e «Morse Code» de 2018, a banda desenvolveu a sua sonoridade colectiva, processo aprofundado pelas digressões que têm feito. O terceiro álbum "Framless" será lançado em 2022.

Delphine Deau - piano 

Camille Maussion - saxophone

Pedro Ivo Ferreira - contrabaixo         

Pierre Demange - bateria

nefertiti.jpeg

Adrian Moncada Sextet

166261619_4036358643052256_1468803106328940847_n.jpeg

"Inhabitable Imagination", o primeiro álbum do pianista Adrian Moncada Sextet, inspira-se na sua paixão pela arquitetura. Sendo um improvisador e compositor considera-se um arquiteto musical, onde a arquitetura serve de contentor para a mente das pessoas. Apresenta um repertório de canções originais que são influenciadas pelo jazz contemporâneo - termo que serve de guarda-chuva para muita música que combina o ritmo, a improvisação e a intenção da tradição jazzística com o ecletismo dos tempos. A camaradagem que eles desenvolveram ao tocar pode ser refletida na confiança que eles têm um no outro ao assumir riscos musicais no palco. Às vezes altamente estruturada e composta, e outras livremente improvisadas e soltas, a música nunca perde o fio de sua narrativa. 

 

“Tendo a arquitetura como fonte de inspiração, gostaria de convidar os ouvintes à minha mente musical dispostos a excitar sua imaginação, mostrando-lhes espaços sonoros que podem parecer grandiosos, minúsculos, geometricamente rígidos ou soltos.”

 

Adrián Moncada - piano e composições  

José Soares - sax 

Alistair Payne - trompete 

Federico Calcagno - clarinete baixo

Nick Thessalonikefs - bateria 

Pedro Ivo Ferreira - contrabaixo 

OWL MAN

Owl man é um grande grupo liderado pelo pianista/improvisador Nico Chientaroli, com o coração na improvisação livre, composição, poesia e rock. Excertos de textos de Jorge Luis Borges, William Burroughs, Martin Calegari, entre outros, fundiram-se com grooves hipnóticos, soul blowing, paisagens abstractas e rock blasts. ''Jazz, rock, blues, sul-americano, poesia slam, punk, eletrônica experimental e arte sonora. Em suma, uma mistura eclética de sonoridades surpreendentes de um músico que já provou pertencer à vanguarda experimental.''

Hernán Samá - sax alto

Ziv Taubenfeld – clarinete baixo

Jan Willem van der Ham - sax barítono

Miguel Petrucelli – guitarra

Pau Sola - violoncelo

Jarno van Es – eletrônica

Pedro Ivo Ferreira – baixo elétrico

Onno Govaert – bateria

Nico Chientaroli – voz, sintetizador e piano

239353703_4392804394114462_5192304379734685974_n.jpeg

Maripepa Contreras Quintet

artworks-HZ8Tqu1WPHv2dZQY-CuxsjA-t500x500.jpeg

Não há tantos oboístas de jazz, mas Maripepa Contreras é uma das poucas. O oboé é um instrumento de sopro caracterizado por seu som quente e penetrante. Bem, espere até ouvir as improvisações conjuradoras de Maripepa Contreras! Maripepa é definitivamente outra coisa da melhor maneira possível: raízes espanholas, formação clássica, com formação em jazz e paixão pela música brasileira. Ela apresenta este projeto premiado (revista Downbeat) sediado em Amsterdã com composições originais.

Maripepa Contreras - oboé, trompa inglesa, duduk, composições

Federico Calcagno - clarinete, clarinete baixo

Adrian Moncada - piano

Pedro Ivo Ferreira - contrabaixo

Nick Thessalonikefs - bateria

Noneto Desconcertante

O Noneto Desconcertante foi criado em outubro de 2017, no Conservatorium van Amsterdam pelo contrabaixista Pedro Ivo Ferreira, com o objetivo de escrever e tocar músicas inspiradas em compositores brasileiros de vanguarda e na música erudita contemporânea. A instrumentação incomum, misturando músicos clássicos e de jazz, trouxe ao conjunto uma sonoridade singular, variando de melodias esvoaçantes a grooves modernos contenciosos. O repertório é repleto de surpresas e arranjos de bom gosto de compositores como Heitor Villa-Lobos, Cláudio Santoro, Guinga e Moacir Santos.

Federico Calcagno - clarinete baixo 

Maripepa Contreras - oboé

Anton Jakimenko - clarinete

Maria Cristina Gonzalez - flauta

Adrian Moncada - piano

Nick Thessalonikefs - bateria

Rita Mendes - clarinete

Gianfranco Mascayano - guitarra

Pedro Ivo Ferreira - contrabaixo

34583188_10215929198852998_1544374380266520576_n.jpeg

Sama I Ferreira I Jaspers

198790152_4339373526125850_5417560231246702920_n.jpeg

O trio de música improvisada é composto por Hernan Sama no sax, Pedro Ivo Ferreira no contrabaixo e Thomas Jaspers na bateria. A música é  imprevisível, única e singular – a essência do aventureiro conhecido como 'composição instantânea'.

Hernan Samá - sax

Pedro Ivo Ferreira - contrabaixo

Thomas Jaspers - bateria

Kurkuma

A cor da cúrcuma é o que melhor descreve a intensa alegria de criar; deixando de lado todos os preconceitos de gosto para submergir em uma textura laranja brilhante. KURKUMA é um grupo da flautista e cantora espanhola Irene Sorozábal. Surpreendentes combinações de instrumentos, ritmos inusitados e lembranças de músicas antigas se entrelaçam com melodias suaves e de sabor folclórico. As composições de Irene são inspiradas em técnicas de Música Antiga que ela traduz para uma linguagem jazzística moderna.

Irene Sorozábal Moreno - voz e gravador
Kirsi-Marja Harju - voz e trompete
Adrián Moncada - piano 
Pedro Ivo Ferreira - contrabaixo
George Hadow - bateria

208508003_3828124333959916_5422208882565555243_n.jpeg
bottom of page